DIREITO DO TRABALHO

TST COMENTADA

CLT COMPARADA

RESUMO DIREITO DO TRABALHO

ANALISTA

MANUAL REFORMA TRABALHISTA

MONOGRAFIAS

SUMULAS TST

SUMULAS OAB

REVISAÇO OAB

REVISÃO FINAL OAB

REVISAÇO MPT



IMPORTANTE!!!! PRIMEIRA DECISÃO DO STF RECONHECENDO A INCONSTITUCIONALIDADE DE DISPOSITIVO DA REFORMA TRABALHISTA: AFASTAMENTO DE GESTANTES E DE LACTANTES DE ATIVIDADES INSALUBRES  



Afastamento das gestantes e das lactantes de atividades insalubres: A Reforma Trabalhista regulamentou o afastamento das gestantes e das lactantes de atividades insalubres. De acordo com o art. 394-A da CLT, as gestantes em atividade insalubre de grau máximo devem ser obrigatoriamente afastadas. Por sua vez, as gestantes que desenvolvem atividades em grau médio e mínimo e as lactantes, independentemente do grau de insalubridade, somente devem ser afastadas caso haja recomendação por meio de atestado médico, emitido por médico de confiança da mulher. 

- Importante decisão do STF (29/05/2019): O STF proferiu a primeira decisão de inconstitucionalidade de dispositivo da Reforma Trabalhista na ADI nº 5.839. O Plenário do Tribunal, por maioria de 10 votos a 1, decidiu pela inconstitucionalidade do trecho do art. 394-A da CLT que exige a apresentação de atestado médico para o afastamento da gestante e da lactante. Em suma, os Ministros do STF decidiram que as empregadas gestantes e lactantes sempre devem ser afastadas do trabalho insalubre independentemente do grau de insalubridade. De acordo com o relator, a proteção à maternidade e à criança não podem ser afastados pela eventual negligência da gestante ou da lactante na apresentação de atestado médico. 

- Efeitos da decisão do STF: O principal efeito da decisão do STF será a necessidade de transferência da empregada gestante e lactante para atividades salubres. Na impossibilidade dessa transferência, a gravidez será considerada de risco e a empregado terá direito ao recebimento de salário-maternidade durante todo o afastamento. Ressalta-se que o valor será custeado pelo empregador por ausência de previsão de receita previdenciária para pagamento desse benefício

curso

MP LIBERDADE ECONOMICA