Trabalho Intermitente 

O QUÊ MUDA COM A MP Nº 808/2017? 


  • 1. Formalidades do contrato de trabalho intermitente. O contrato de trabalho intermitente deve ser realizado de forma escrita, com a anotação da CTPs e deve contar cláusulas obrigatórias como a assinatura, identificação, valor da hora de trabalho, nunca inferior ao salário mínimo, etc. 

  • 2. Prazo para aceitação da oferta de trabalho intermitente: Feita a convocação pelo empregador, o empregado passou a ter o prazo de 24 horas para aceitar a oferta. No silencia, presume-se a recusa. 

  • 3. Prazo para pagamento das verbas do contrato: pode ser acordado entre empregado e empregador. Se prestação de serviços for superior a 1mês, verbas não podem ser pagas em período superior a 1 mês. 

  • 4. Fracionamento das férias individuais: permite-se o fracionamento das férias individuais em até 3 períodos. 

  • 5. Ampliação das hipóteses de acordo individual: Por meio de acordo individual as partes da relação de trabalho intermitente podem estabelecer diversas condições para o trabalho, como o estabelecimento de turnos de trabalho e forma de convocação. Destaca-se que é possível a previsão de formas de reparação (multa) pelo cancelamento de serviços agendados. 

  • 6. Período de inatividade: não é considerado como tempo à disposição e não é remunerado. Pode, durante esse período, prestar serviços a outros tomadores, por qualquer modalidade contratual. 

  • 7. Término do contrato de trabalho intermitente por falta de convocação: Decorrido o período de 1 ano sem convocação, o contrato de trabalho é rescindido de pleno direito. 

  • 8. Verbas rescisórias devidas: 

– 50% do aviso prévio indenizado. 

– 20% de multa sobre os depósitos do FGTS; 

– Saldo de salário (dias efetivamente trabalhadores); 

– Décimo terceiro salário proporcional; 

– Férias + ⅓ vencidas, se houver; 

– Férias + ⅓ proporcionais; 

• Empregado pode movimentar até 80% da conta do FGTS, mas não tem direito ao seguro-desemprego. 

• Aviso prévio obrigatoriamente indenizado calculado na média dos últimos 12 meses, somente levado em consideração os meses que houve prestação dos serviços 

  • 9. Quarentena: até 31 de dezembro de 2020, o empregado contratado por prazo indeterminado não pode prestar serviços para o mesmo empregador por meio de contrato de trabalho intermitente pelo prazo de 18 meses, contado da data de demissão do empregado.