MPT

Noções DT

DIREITO DO TRABALHO

MPT REV

TST COMENTADA

CLT COMPARADA

RESUMO DIREITO DO TRABALHO

ANALISTA

MANUAL REFORMA TRABALHISTA

MONOGRAFIAS

SUMULAS TST

SUMULAS OAB

REVISAÇO OAB

REVISÃO FINAL OAB

REVISAÇO MPT



É possível a REVISTA ÍNTIMA das servidoras e empregadas públicas que prestam serviços em estabelecimentos PRISIONAIS?

Segue resumo abaixo sobre o assunto:

Recentemente (abril/2016), foi promulgada a Lei nº 13.271/2016 que estabelece a proibição de revistas íntimas de funcionários e clientes do sexo feminino por empresas privadas e órgãos e entidades da Administração Pública:

Art. 1o  As empresas privadas, os órgãos e entidades da administração pública, direta e indireta, ficam pro-ibidos de adotar qualquer prática de revista íntima de suas funcionárias e de clientes do sexo feminino.

Art. 2o  Pelo não cumprimento do art. 1o, ficam os infratores sujeitos a:

I - multa de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) ao empregador, revertidos aos órgãos de proteção dos direitos da mulher;
II - multa em dobro do valor estipulado no inciso I, em caso de reincidência, independentemente da indeni-zação por danos morais e materiais e sanções de ordem penal.

Com essa nova lei, acaba a discussão sobre a possibilidade de revistas íntimas em mulheres, em quais-quer atividades, inclusive no serviço público.

Há, ainda, a discussão sobre a possibilidade de revistas íntimas das empregadas e servidoras públi-cas que prestam serviços em sistemas prisionais. O art. 3º da Lei nº 13.271/2016 previa que a revista íntima em estabelecimentos prisionais seria permitida desde que realizada por servidores femininos. Contudo, o dispositivo foi vetado pelo Chefe do Executivo. Além disso, entendemos que essa permissão somente seria aplicada às pessoas que fossem realizar visitas ao presídio . Nesse caso, a medida se justifica diante da necessidade de garantir a segurança da sociedade e dos próprios detentos, pois evitaria o ingresso de armas, aparelhos celulares, drogas etc.

Entendemos, portanto, que a revista íntima das empregadas e servidores públicas que trabalham nos presídios não é possível, uma vez que o art. 1º da Lei nº 13.271/2016 é expresso ao proibir essa forma de revista a todas as funcionárias da Administração Pública, o que inclui as funcionárias públicas do sistema prisional.
Para as demais atividades e empresas, repita-se que essa conduta não é admitida nem mesmo via ins-trumento coletivo. Registra-se que a alteração legislativa, acima transcrita, deveria ter ampliado a proibi-ção de revistas íntimas também aos homens, homossexuais e transexuais. Não nos parece razoável a proi-bição restrita apenas às mulheres e permitida aos homens.

Sobre esse assunto, interessante conferir a jurisprudência do TRT-RJ que proíbe a revista íntima a qualquer trabalhador de qualquer sexo:

Súmula nº 16 do TRT – 1ª Região. Revista íntima. Dano moral. Limites dos poderes de direção e fiscalização. Violação à honra e à intimidade do trabalhador. Princípio da dignidade da pessoa humana (art 1º, inc.III, CF).
Cabe reparação por dano moral, por ferir o princípio da dignidade da pessoa humana, o ato pa-tronal consubstanciado em revistas íntimas de trabalhadores de qualquer sexo, incluindo a vigi-lância por meio de câmeras instaladas em banheiros e  vestiários.


(TEXTO RETIRADO DO LIVRO - Direito do Trabalho para Analista TRT 9º Edição, com lançamento previsto para próxima semana de junho/2016)

CURSO MPT

curso

MP LIBERDADE ECONOMICA